Ônibus do Recife para o interior de Pernambuco

Diversas cidades do interior de Pernambuco, seja no Agreste ou no Sertão, atraem turistas em eventos diversos como o Carnaval, Paixão de Cristo ou São João; dentre essas cidades, pode-se mencionar Caruaru, Petrolina, Salgueiro, Limoeiro, Carpina, e até mesmo Campina Grande, no agreste paraibano.

As tabelas abaixo informam: empresas de ônibus que fazem conexão, meios de contato, preços aproximados (em valores de junho de 2011) e tempo de viagem.

Sites das empresas de ônibus:

Progresso, Borborema, Expresso 1002.

Vale lembrar que Petrolina, a cidade mais distante do Recife, dispõe de um aeroporto com voos comerciais regulares pela TAM.

 

Anúncios

Shopping de Petrolina não pode cobrar por estacionamento

Esta semana, o Prefeito de Petrolina, Júlio Lóssio, sancionou  a Lei nº 2.219/09, que proíbe a cobrança de estacionamento em locais como instituições de ensino, casas de diversão, estádios de futebol, shopping centers e bancos.

Autora do projeto, a vereadora Márcia Cavalcanti informou que a lei atendeu a um clamor da sociedade, que teria se insurgido contra a possibilidade do shopping local River Shopping começar a cobrar taxa de estacionamento.

“Isso seria descabido, pois todos sabem que quando o estabelecimento foi implantado recebeu incentivos do poder público municipal. Agora, é preciso garantir que a população tenha acesso ao local, que é também um espaço de lazer”, explica a vereadora. “Não se trata de limitar a iniciativa privada; mas qualquer instituição tem que ter em mente sua função social”, acrescenta.

De acordo com a vereadora, só podem cobrar taxas de estacionamento as empresas cadastradas na junta comercial para aquele tipo específico de atividade. “Por exemplo, aqui na cidade nós temos estacionamentos privados, mas a função comercial deles é aquela mesma, são registrados como tais. O que não é justo é ter o registro em um tipo de comércio e explorar outra atividade. Você vai a uma casa de show, naturalmente paga os custos quando compra o ingresso; e quando vai sair, ainda tem que pagar o estacionamento da própria casa de shows”, enfatiza Márcia.

O descumprimento da lei acarretará penalidades: ressarcimento de cem vezes o valor cobrado pelo estacionamento, além de multa diária de 300 vezes o valor mínimo cobrado no estacionamento, a ser revertido para o município.

Para o superintendente do River Shopping, Paulo Modesto, lei é para ser cumprida, mas ele afirma que futuramente a instituição pretende cobrar estacionamento.

É uma forma diferente de pensar, mas com bastante fundamento. Muitos dos grandes shopping centers do Brasil são financiados por recursos públicos. Tomara que a idéia se espalhe pelas outras casas legislativas do Brasil.

Os shopping centers de Recife cobram a partir de R$ 3,50 pelo estacionamento; em João Pessoa, o Manaíra cobra R$ 2,00; em Natal, uma excelente iniciativa foi a do Midway Mall, maior e mais novo shopping da cidade, que não cobra pela estacionamento (e, não por acaso, é o shopping com maior movimentação)


Vinhos de Petrolina e do Vale do São Francisco

Já há alguns anos, a Associação Brasileira de Enologia tem promovido o Concurso Internacional de Vinhos do Brasil.

De hoje até o dia 12, será realizado em Petrolina, na região pernambucana do Rio São Francisco, o I Concurso Internacional de Avaliação de Vinhos do Vale, com a participação de jurados e jornalistas de várias partes do mundo. Esse  evento é organizado pelo grupo belga Vinopress, e avaliará vinhos de todos os produtores da região de Petrolina, e mais 46 vinícolas do restante do país;  um total de 160 amostras deve ser colocado sob avaliação.

Este evento coloca definitivamente o Vale nas questões de debates sobre os pólos vitivinícolas. A Vinopress trará oito jornalistas para o Concurso, que certamente ganhará repercussão na Europa.

Apesar de ter se lançado na produção de uva e vinho há pouco mais de duas décadas, enquanto a Região Sul desenvolve a vitivinicultura há mais de um século, o Vale do São Francisco tem conseguido rápidos avanços.

A região produtora de vinho no Vale – que compreende os municípios pernambucanos de Petrolina, Lagoa Grande e Santa Maria da Boa Vista, além de Casa Nova,  na Bahia – tem hoje 12 vinícolas; é a única região do mundo que produz no paralelo 8 (próximo ao Equador) e o ano inteiro; alguns vinhos que levam o rótulo do Vale já atravessaram fronteiras e são exportados para várias partes do mundo.

Além do crescimento do fluxo turístico, a produção e comercialização de vinhos no Vale do São Francisco tem provocado uma corrida na implementação dos conhecimentos neste setor. Há que se destacar, neste aspecto, o curso superior de Tecnologia em Viticultura e Enologia, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (Ifet) do Sertão Pernambucano. Os alunos já produzem vinho em caráter experimental.