Nautico apresenta projeto de novo estadio: Arena Recife

Dos times grandes do Recife, o Náutico é o que tem o menor estádio.

A Ilha do Retiro, do Sport, já teve jogos com 80 mil torcedores; o Arruda, do Santa Cruz, já teve públicos de 40 mil pessoas. O Estádio dos Aflitos, estádio do Náutico, tem atualmente capacidade para aproximadamente 20 mil pessoas – foi esse o público contabilizado nos jogos da atual temporada que lotaram o estádio (o Náutico esteve na série A).

Pensando em ter um estádio mais condizente com sua torcida, a direção do Náutico apresentou semana passada à Prefeitura o Projeto do Arena Recife.

O Projeto prevê a construção de um estádio para 30 mil pessoas, com previsão para início de obras já em janeiro de 2010 (assim que a Prefeitura emitir as licenças necessárias) e conclusão em dezembro de 2012.

O estádio ocupará uma área de 90 hectares, e se situará entre a BR-101 e a avenida Recife; essa área é de fácil acesso tanto para quem vem da própria cidade como para quem vem dos Estados vizinhos como para quem chega pelo aeroporto. Prevê-se também a construção de um hotel.

O custo está orçado em R$ 300 milhões e será arcado por um consórcio de empreiteiras brasileiras e européias; o consórcio, em troca, terá direitos de participação nas rendas do complexo por 30 anos.

Segundo os diretores do Náutico, o projeto já estava pronto desde 2007 e, por isso, não tem nenhuma relação com o projeto da Cidade da Copa, que abrigará os jogos da Copa 2014 (leia mais informações sobre a Copa do Mundo no Recife).

Entretanto, segundo ex-diretores que participaram do projeto, é possível adaptar rapidamente o projeto para que, em vez de 30 mil, a capacidade seja de 40 mil espectadores, que é o número mínimo exigido pela FIFA para que um estádio seja sede de jogos da Copa.

Isso está sendo visto como um possível plano B da Copa, caso o ambicioso projeto da Cidade da Copa não vá adiante.

Veja também: em março de 2011, o Sport apresentou projeto de reforma da Ilha do Retiro.

Anúncios

Recife atrai turismo GLS

O Recife Convention & Visitors Bureau participará na próxima semana da 21ª edição do Festival de Turismo de Gramado. Esse ano, aproveitando que o Festival terá pela primeira vez com um pavilhão voltado exclusivamente para o turismo LGB, o Recife CVB promoverá o projeto “Friendly LGBT – Pernambuco simpatiza com Você”; esse projeto foi criado em 2008, reúne atualmente 22 espaços associados, e tem como foco a capacitação dos profissionais que atuam nos atrativos turísticos e culturais locais para bem receber o turista LGBT.

Durante o Festival de Gramado, será distribuído o Guia da Diversidade, que reúne diversas opções de hotéis, pousadas, restaurantes, bares, boates, agências de receptivo e locadoras de carros direcionadas ao visitante LGBT. “O Guia é uma importante ferramenta no auxilio do turista quanto à sua programação em Pernambuco. Nele, sugerimos espaços credenciados ao projeto e outros que já recebem o público gay, é uma forma de asseguramos que esse visitante não passará por qualquer tipo de constrangimento e se identifique com o destino”, assegura a diretora executiva do RCVB, Tatiana Menezes.

É mais uma iniciativa do Governo Pernambucano para aumentar e diversificar o número de turistas que visitam o Estado. Em setembro, Recife organizou a Parada da Diversidade. Outras ações de divulgação recentes incluem o Recife Mais, a Rota da Crença, o Turismo de Saúde.

Não surpreende que Recife e Pernambucano sejam os destinos do Nordeste que venham apresentando maior ritmo de crescimento no número de turistas.


Moda no Agreste pernambucano

O Agreste pernambucano, na transição entre a Zona da Mata e o sertão, historicamente caracterizou-se por ter uma economia baseada em recursos naturais, como agricultura e criação de gado; em décadas recentes, graças à influência de Caruaru (capital do agreste pernambucano) e suas grandes feiras, o setor de comércio (principalmente roupas e confecções) teve grande crescimento.

darttroidIsso levou ao surgimento de cerca de 20 mil pequenas empresas confecções na região, abrangendo Caruaru, Toritama, Santa Cruz do Capibaribe, Brejo da Madre de Deus, Taquaritinga, Gravatá e Surubim; com esses números, o polo de confecção do Agreste já é considerado o segundo maior do País, atrás apenas de São Paulo.

Nude, flúor, brilhos, estampas multicoloridas, T-shirts com ilustrações pop, saias de cintura alta, leggings metalizadas, tecidos com lurex, apliques de lantejoula, jeans com bordados, navy, safári. Tem de tudo um pouco. Mas ainda é preciso ter paciência para cascavilhar. Ao contrário das grifes que figuram nas passarelas e nos editoriais, a maioria das confecções do Agreste não tem cuidado em seguir uma continuidade de estilo na tendência explorada. “Os donos dessas empresas têm uma cultura de feira. Produzem mercadoria para consumo imediato, sem se importar com a fidelização do cliente”, analisa o estilista e consultor de moda Leopoldo Nóbrega.

Buscando se organizar para atingir um público mais qualificado, donos de confecções de Santa Cruz do Capibaribe lançaram recentemente a quarta edição do Guia da moda pernambucana, com direito a desfile, showroom e rodada de negócios. O catálogo, que traz 37 marcas, foi promovido pela Associação dos Confeccionistas de Santa Cruz do Capibaribe (Ascap)  e pela Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe. Dez mil exemplares serão distribuídos gratuitamente em todo o território nacional.

iska-vivaDe preferência sem levar em consideração os nomes esdrúxulos das marcas, como Dar’ttroid, Havair, Kikorum e Kanyon Radical, é possível fazer uma boa produção de verão com os looks mostrados nos desfiles. Para os homens, o estilo surfwear é sempre bem representado pelas Sport Company, Joggofi e Rota do Mar. O mesmo vale para o beachwear, com biquínis listrados, estampas geométricas e cores quentes, da Areia Molhada e Iska Viva.

A Officio Próprio apostou em polos listradas e aplicação de paetês nas T-shirts. Esta última peça foi a aposta da Tutti-Frutti, que veio com estampas de desenhos animados, referência clara ao estilista Alexandre Herchcovitch. A grife também apostou nas leggings em tons vivos e metalizados. Estampas, desta vez de oncinha, também foram as estrelas da Ragazze di Rio, que apostou em vestidos soltos. Modelos bandage dress ombré, mais ajustados, com um ombro só, bem anos 80, ganharam estampa metalizada na barra pela Purpurina.


Investimentos em Itamaracá e litoral norte de Pernambuco

Fatores como o crescimento do turismo pernambucano, a Copa do Mundo, e a rápida retomada da economia estadual começam a ter influência sobre uma região que passou quase 20 anos esquecida por investidores privados e pelo próprio setor público. Depois de seu auge como veraneio obrigatório para os pernambucanos, o Litoral Norte foi largado à própria sorte; agora, projetos imobiliários e turísticos começam a ressurgir.

itamaracaUm dos obstáculos para o desenvolvimento do Litoral Norte, diz o presidente da Associação dos Hoteleiros da Ilha de Itamaracá (Ahita), Gustavo Calheiros, é o complexo prisional. Lá, ficam a Penitenciária Professor Barreto Campelo, o Presídio Agroindustrial São João (PAI) e o Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico (HCTP). As frequentes notícias de rebeliões e fugas de prisioneiros (ver aqui e aqui) acaba por afastar os visitantes.

No mês passado, iniciou-se a construção do Centro de Ressocialização Integrado (CIR) de Itaquitinga, que ficará no município homônimo da Mata Norte. O CIR, com 3.126 vagas, terá capacidade de absorver a totalidade dos detentos do Barreto Campelo e da PAI; a partir de 2010, já se inicia a transferência de presos.

O anúncio do cronograma de entrega do CIR de Itaquitinga já animou o mercado imobiliário de Itamaracá. O governador do Estado, Eduardo Campos, afirmou durante o lançamento do CIR que em 2010 será retomado o plano de leiloar um grande terreno público na ilha para a implantação de um ou até mais de um complexo hoteleiro ligado ao ecoturismo.

O leilão deveria ter seu edital publicado no final do ano passado. Seria oferecido um primeiro lote de 1.400 hectares (avaliado em R$ 53 milhões), parte de uma área maior, de aproximadamente 2.500 hectares, que o governo possui em Itamaracá. Mas, antes que a concorrência pública tivesse início, veio a crise financeira, que obrigou os investidores a reverem seus planos.

Agora, parece que uma nova conjuntura se abre, prometendo uma fase de progresso para Itamaracá e vizinhanças.


Recife atrai turismo de saúde

Recife conta atualmente com quase 400 hospitais e oito mil leitos, o que faz da cidade o 2º maior pólo médico do país, atrás apenas da cidade de São Paulo.

Aproximadamente 9% das pessoas que visitaram o Recife tiveram motivos de saúde como causa principal da viagem, segunda a última edição da Pesquisa de Turismo Receptivo do Recife, promovida pela Empresa de Turismo de Pernambuco (Empetur). Esses visitantes vieram em busca dos mais diversos tratamentos de saúde, tanto com fins estéticos como de bem-estar.

Para reforçar a imagem do pólo médico do Recife no mercado internacional, a cidade participou do World Medical Tourism & Global Health Congress, o maior evento mundial de divulgação de turismo de saúde, que ocorreu de 26 a 29 de outubro, em Los Angeles; aliás, Recife não apenas participou como foi um dos maiores patrocinadores do evento (ver anúncio oficial).

O evento reúne não apenas grupos hospitalares, mas também diversos seguradores de saúde (que têm todo o interesse em conhecer locais que combinam hospitais e turismo de qualidade), agências de viagem e hoteis que já trabalham no setor de turismo de saúde.

A participação foi liderada pela Secretaria de Turismo, a Câmara de Comércio Brasil – Estados Unidos e o Recife Convention & Visitors Bureau. A comitiva incluiu representantes dos maiores hospitais do Recife, como Real Hospital Português, Grupo Fernandes Vieira (Hospital Santa Joana, Memorial São José, entre outros), Unimed Recife e Diagno São Marcos.

No final do congresso foi lançado o 1º Guia de Turismo de Saúde, Bem-Estar e Qualidade de Vida de Pernambuco, que divulgará os hospitais, centros de estéticas (estética), clínicas, hotéis e resorts do Estado e será distribuído entre agentes e operadores de viagens com intuito de incrementar o turismo de saúde em Pernambuco.

Outra excelente iniciativa, dentre tantas (das mais recentes, ver essa, essa, e essa), para divulgar o turismo em Pernambuco.

A imagem abaixo (ver fonte) mostra um panorama do polo médico do Recife. Há clínicas, médicos e hospitais por toda a cidade, mas maior concentração é na chamada Ilha do Leite, que é separada de Boa Viagem pelo viaduto mostrado na foto.

polo-medico-recife

O complexo de prédios à esquerda, em primeiro plano, é o Real Hospital Português, o maior hospital privado do Estado (um edifício garagem foi construído recentemente). No lado direito, em primeiro plano, está o HOPE; o Hope era originalmente Hospital de Olhos de Pernambuco, mas há alguns anos também expandiu-se e hoje é um completo complexo hospitalar. Diversos dos prédios mostrados na foto são também hospitais, prédios de consultórios médicos, hoteis para pessoas que aguardam tratamento, etc.